À terceira foi de vez para Wout van Aert na Strade Bianche!

O tão aguardado regresso do World Tour! Por volta da hora de almoço os ciclistas saíram para a estrada para dar as primeiras pedaladas oficiais desde o Paris-Nice. Logo nos primeiros quilómetros, Simon Pellaud, Iuri Filosi, Nicola Bagioli, Quentin Pacher, Corne van Kessel e Benjamin Declercq saltaram para a frente de corrida.



Não querendo surpresas, o pelotão nunca deu larga margem à escapada que a mais de 100 quilómetros da chegada ficou reduzida a apenas 1 homem, o suíço Simon Pellaud. O combativo ciclista da Androni Giocatolli chegou a receber a companhia de Bob Jungels, Marcus Burghardt e Lawson Craddock mas rapidamente este grupo foi apanhado.

Os quilómetros seguintes foram muito nervosos, com quedas de Vincenzo Nibali e Julian Alaphilippe e furo de Mathieu van der Poel, a partirem o grupo dos favoritos. Tudo isto levou a que o pelotão ficasse bastante reduzido a 60 quilómetros da chegada, altura em que Alberto Bettiol tentava a sua sorte. Alguns ciclistas juntaram-se ao italiano mas nada de valeu.

No setor de sterrato mais longo da prova, a 52 quilómetros da chegada, o Monte Sante Marie, sorte diferente para os dois primeiros do ano passado. Jakob Fuglsang atacava e Julian Alaphilippe cedia. Na frente ficavam, também, nomes como Wout van Aert, Maximilian Schachmann, Davide Formolo, Greg van Avermaet, Michal Kwiatkowski e Alexey Lutsenko.



O dinamarquês estava imparável e voltava à carga na descida, abrindo, logo, uma vantagem de 30 segundos que viria a ser fechada em 10 quilómetros por Van Aert, Schachmann, Formolo, Avermaet e Bettiol. Este grupo uniu-se, conseguindo ter 1:15 de vantagem para Zdenek Stybar, Michael Gogl e Brent Bookwalter.

A acalmia durou até aos 22 quilómetros para a meta, já depois do antepenúltimo setor, com Schachmann a atacar com Van Aert. Com uma vantagem curta, o grupo perseguidor, com exceção de Avermaet conseguiu fazer a ponte no setor seguinte. Em Le Tonfe, no último setor,à falta de 12 quilómetros, Wout van Aert lançou-se na ofensiva, sem reação dos seus rivais.



O ataque forte do belga foi na altura correta pois nunca mais ninguém lhe pôs os olhos em cima. O corredor da Jumbo-Visma entrou com 30 segundos no duríssimo quilómetro final, vantagem mais que suficiente para celebrar a vitória na Piazza del Campo, depois de dois 3º lugares nas últimas duas edições. Na luta pelo 2º posto, Formolo batia Schachmann, com os restantes ciclistas a terminarem já bastante longe, num top 10 separado por quase 8 minutos!

, , , , , , , ,