Owain Doull faz valer a fuga no fecho do Tour de la Provence

A etapa final do Tour de la Provence começou a todo o gás. O início era propício a ataques e Thibaut Pinot e Pavel Sivakov não se inibiram e animaram a primeira fase da tirada. Com bastantes dificuldades, o pelotão chegou a estar completamente partido em pequenos grupos e foi preciso esperar pelos 60 quilómetros para se ver a fuga formar, com Romain Combaud, Owain Doull, Ian Garrison e Matthias Brandle.



Este quarteto em nada perigava a geral de Nairo Quintana e, por isso, a Arkea-Samsic deixou a fuga ganhar 4 minutos. Parecia tudo controlado por parte do pelotão, já que à equipa francesa juntavam-se a EF Pro Cycling e a NTT Pro Cycling. 3:30 para os últimos 30 quilómetros, ainda com várias dificuldades faziam prever uma chegada ao sprint.

O grupo da frente manteve-se unido, ao contrário do pelotão que, mesmo com alguma desorganização, conseguia retirar tempo ao quarteto que entrava com 50 segundos nos derradeiros 10 quilómetros. O final era quase sempre a descer e, por isso, a esperança mantinha-se na frente. Todos colaboravam menos Romain Combaud, que se escondia no final do grupo.



O francês tentou a sua sorte já dentro do quilómetro final, mas foi fatal para as suas aspirações. Doull fechou o espaço e depois foi Matthias Brandle a abrir o sprint. O britânico da Team INEOS esperou pelo momento certo, fez valer a sua melhor ponta final e conquistou o triunfo, à frente do austríaco, com Ian Garrison a ser 3º, a já 2 segundos. O pelotão chegou a 6 segundos, liderado por Alexey Lutsenko, que tinha ganho uma pequena vantagem na descida. Nairo Quintana chegou no grupo e confirmou a vitória na geral do Tour de la Provence.



, , , , , , ,