O melhor sprinter de 2018 entra a ganhar em 2019

Está oficialmente aberta a temporada de 2019 com o Tour Down Under a começar mais uma época de ciclismo. A primeira etapa era praticamente plana, em torno de Adelaide. A fuga formou-se com relativa facilidade, com o pelotão a deixar os 3 homens que se aventuraram na frente a deixá-los sair. Michael Storer, Jason Lea e Patrick Bevin eram os escapados.



Esta foi sempre uma fuga controlada e, a 40 quilómetros do final, o pelotão já seguia compacto, com o cenário de sprint em pelotão compacto a ser cada vez mais uma certa. Na fuga, Jason Lea lucrou com a subida ao pódio ao ser o rei da montanha. Também Patrick Bevin saiu a sorrir, somando 5 importantes segundos de bonificação.

Como em todos os começos de temporada, os primeiros sprints são bastante caóticos e este não fugiu à regra. Foi a Lotto-Visma a entrar na frente, com Danny van Poppel muito bem colocado só que, muito cedo, a cerca de 250 metros da chegada, Max Walscheid começou o seu sprint.



O gigante alemão ganhou, logo, uma vantagem considerável, ele que tinha Phil Bauhaus na roda mas o germânico encostou demais às barreiras e foi obrigado a desacelerar, para se colocar na posição correta. Parecia que a vitória estava entregue no entanto a experiência foi fundamental. Passando entre as barreiras e Bauhaus, num espaço quase impossível de o fazer, vinha Elia Viviani que, como uma flecha ultrapassou Walscheid para conquistar a primeira vitória de 2019. Quem também fez slalom entre os vários sprinters foi Jakub Mareczko, da CCC Team, que acabou em 3º. Peter Sagan e Caleb Ewan, os outros dois grandes favoritos à etapa, estiveram longe da disputa, com o eslovaco a ser 8º e o australiano 23º.

Na classificação geral, Elia Viviani é o primeiro líder do Tour Down Under, com 4 segundos de vantagem para Max Walscheid e 5 para Patrick Bevin. Os dois portugueses em prova chegaram integrados no pelotão com Ivo Oliveira a ser 69º e Ruben Guerreiro a terminar em 27º.





, , , ,