Ponta final fenomenal permite a Sam Bennett bisar no Paris-Nice

Antes da montanha mais a sério começar hoje era a última oportunidade para os sprinters, com os ciclistas da geral à procura de não perder tempo devido ao forte vento que se fazia sentir. As equipas francesas foram protagonistas desde cedo, com Laurent Pichon, Mauro Finetto, Lilian Calmejane e Alex Kirsch (da Trek-Segafredo) ao ataque. O pelotão não queria deixar esta escapada ir já que Calmejane está no top 20 da geral, o ciclista francês reconheceu isso e deixou-se descair para o grupo principal, deixando um trio na frente.




Esse trio nunca teve um grande avanço e foi apanhado a praticamente 60 kms da meta. Foi aí que o ritmo aumentou ainda mais e o pelotão ficou bem mais curtinho, Dylan Groenewegen ficou para trás e a Mitchelton-Scott tentou certificar-se disso. Luis Leon Sanchez foi bonificar 3 segundos, reduzindo a diferença para Michal Kwiatkowski e a 15 kms da meta uma pedra provocou a queda de Jan Bakelants e Rafael Valls.

Luis Leon Sanchez atacou novamente as bonificações a 4 kms da meta, mas desta vez foi marcado por Michal Kwiatkowski, com uma queda a eliminar Caleb Ewan e Christophe Laporte da luta pouco depois. A lançamento do sprint foi dominado pela Groupama-FDJ e Arnaud Demare foi deixado numa posição perfeita. O francês parecia ter a vitória no bolso, ganhou um pequeno espaço, só que Sam Bennett julgou o seu esforço na perfeição, passou entre Trentin e as barreiras para uns 100 metros finais do outro mundo, vencendo assim a 6ª etapa. Foi o 2º triunfo de Bennett na competição, Demare ficou em 2º e Trentin em 3º.




Michal Kwiatkowski tem agora 18 segundos sobre Egan Bernal e 22 sobre Luis Leon Sanchez. Amaro Antunes foi 72º na etapa e caiu para 44º na geral.

, , , , , , ,