Rohan Dennis está no mercado e há 3 equipas na “pole position”

Uma das histórias que está a marcar a segunda metade da temporada é a saída de Rohan Dennis da Bahrain-Merida e agora uma das grandes questões é a próxima equipa do bi-campeão do Mundo de contra-relógio. Na altura da sua saída relatámos toda a história na relação conturbada com a Bahrain-Merida, podem recordar aqui. Dennis é livre para assinar com qualquer equipa para 2020 e está à procura de uma estrutura sólida, que tenha material de contra-relógio de alto nível.




Já a semana passada a Gazzetta Dello Sport tinha noticiado que a Movistar está a piscar o olho a Rohan Dennis, a equipa espanhola corre com Canyon e tem alguma folga orçamental depois das saídas de Nairo Quintana, Mikel Landa e, possivelmente, Andrey Amador. Esse rumor é reforçado hoje pelo diário espanhol Marca, a Movistar está mesmo interessada no campeão Mundial de contra-relógio, um ciclista de temperamento complicado, que também pode ser uma alternativa em provas de 1 semana, como demonstrou na Volta a Suíça, continuamos a crer que Rohan Dennis nunca será um corredor para provas de 3 semanas, ainda assim poderia ser um reforço importante para uma Movistar desfalcada.

No entanto, há mais 2 opções de peso em cima da mesa para Rohan Dennis, ambas parecem menos rebuscadas à partida que a Movistar. Primeiro surge a Team NTT, actual estrutura da Dimension Data. A formação sul-africana corre com bicicletas BMC, as favoritas de Dennis e com as quais Dennis obteve resultados incríveis, precisa claramente de um grande líder e de ciclistas que garantam vitórias no World Tour, e ainda tem 4 vagas abertas num plantel que tem neste momento 26 unidades. Quem não ficará muito contente é Victor Campenaerts, que se mudou para essa equipa depois de sair da Lotto-Soudal, ficaria com concorrência interna.




Nesta luta ainda aparece a CCC Team, com uma capacidade orçamental grande, 25 ciclistas confirmados para 2020 e bicicletas Giant. Mais importante que isso, tem na estrutura Marco Pinotti, um mago dos contra-relógios e que ajudou e muito à evolução de Rohan Dennis. Na formação polaca existe Patrick Bevin e outros ex-companheiros de Rohan Dennis. Destacamos Bevin porque o neozelandês teve uma evolução importante na luta contra o cronómetro e foi 2º no CRI da Vuelta e 4º nos Mundiais.



, , ,