Será 2021 a última “bala” de Valverde?

Decorreu hoje a apresentação oficial da Movistar e os comandados de Eusebio Unzue falaram com a imprensa internacional e revelaram os objectivos delineados para 2021. A grande aposta para a próxima época é Miguel Angel Lopez, um novo líder para as Grandes Voltas, regressando um pouco a influência colombiana às chefias.




Com apenas 2 triunfos em 2020, a formação espanhola quer mais, muito mais, em 2021. Outro nome forte é Ivan Garcia Cortina, que oferece outro tipo de soluções para as clássicas com empedrado, enquanto Alejandro Valverde ficará, como é habitual, com as clássicas das Ardenas. O veterano espanhol, que irá completar 41 anos em Abril, já teve uma temporada abaixo do normal em 2020 e denota-se já alguma quebra de rendimento face aos ciclistas mais jovens.

“O ano está a ser complicado até agora. Continuamos a lutar e a treinar para estar preparados quando começar a temporada. É difícil ter a cabeça com o foco a 100%. De momento tenho na cabeça que este será o meu último ano e arranca com a mesma vontade de outras épocas.” Valverde não confirmou que esta será a última temporada no pelotão internacional, provavelmente irá esperar para ver o nível com que se irá apresentar e depois tomar uma decisão final, mas a ideia já lá está. Terá como objectivos as Ardenas, os Jogos Olímpicos e a Vuelta.




Marc Soler, 21º no Tour e 18º na Vuelta em 2020, será o líder pré-designado para o Giro, uma oportunidade de ouro para o espanhol de 27 anos. Soler tem de a aproveitar, está numa fase crucial da carreira, a evolução tem sido mais lenta que o esperado e ou dá o salto ou pode ficar numa posição de gregário de luxo internamente. No entanto, é sabido que não tem uma personalidade fácil nesse sentido.

Para o Tour estarão designados Enric Mas e Miguel Angel Lopez, respectiamente 5º e 6º na última Grand Boucle. Se a Movistar quer derrotar os 2 grandes blocos que vão combater no Tour (Ineos e Jumbo-Visma) terá de ser perfeita tacticamente e usar da melhor maneira estes 2 ciclistas, com opções arrojadas. Se não fizer isso habilita-se “apenas” à habitual classificação colectiva. O mais provável é o colombiano actuar de uma maneira mais ofensiva enquanto Mas pode relaxar e ser mais conservador.




O plano posteriormente é levar Alejandro Valverde, Enric Mas e Miguel Angel Lopez à Vuelta, formando assim um trio perigosíssimo para a prova que na perspectiva da Movistar é a mais importante do ano. De recordar ainda que a Movistar também se reforçou na equipa feminina e logo com a campeoníssima Annemiek van Vleuten.

, , , , , , ,