As mexidas do mercado internacional (VII)

Os últimos dias foram calmos no mercado de transferências, principalmente porque com a Vuelta e as clássicas canadianas a decorrer as equipas também querem que os anúncios tenham destaque na imprensa internacional e com as corridas acabam por ficar um pouco abafados. No entanto, ainda houve algumas confirmações que é importante dar nota entre as equipas World Tour e Profissionais Continentais.




Um ciclista que foi protagonista precisamente em algumas etapas da Vuelta foi Alex Aranburu, espanhol de 23 anos que vai deixar a Caja Rural para subir ao próximo patamar com a Astana. Aranburu foi campeão nacional júnior e chegou a fazer 10ª na Volta a Portugal do Futuro, no entanto a sua evolução deu um salto enorme desde que chegou à Caja Rural em 2017. Não foi um primeiro ano fácil, mas nas últimas provas da época já se adivinhava um excelente 2018, e foi isso precisamente que aconteceu.

Foi 10º na Vuelta a Castilla y Leon, 5º na Volta à Noruega e ganhou o Circuito de Getxo, fazendo a Vuelta como prémio no final da temporada. E isso deu-lhe calo para fazer um 2019 ainda melhor, novamente demorando a aquecer os motores, até que fez 4º na Vuelta a Madrid, ganhando a 2ª etapa, ficou perto de revalidar o título no Circuito de Getxo, ganhou 1 etapa na Vuelta a Burgos e na Vuelta fez 2º por 2 vezes. É um corredor que gosta muito de finais empinados e também se adapta a dias de média montanha com final em grupo reduzido, certamente terá as suas oportunidades na Astana, é um ciclista parecida a Omar Fraile

Neilson Powless vai regressar a uma equipa norte-americana depois de 2 temporadas ao serviço da Jumbo-Visma, onde é verdade que não teve muitas chances de liderar a formação holandesa mas sem dúvida evoluiu como ciclista. 7º classificado na Volta ao Algarve este ano, foi peça importante no triunfo de Primoz Roglic na Volta a Espanha.




Powless é um talento moderno, excelente no contrarrelógio e bom na montanha, em 2017 foi 4º no Tour of Utah e 6º na Volta a Itália sub-23. O seu destino é a EF Education First, trata-se do 4º reforço, depois de Magnus Cort, Stefan Bissegger e Jonas Rutsch. Na estrutura liderada por Jonathan Vaughters poderá ter mais oportunidades para liderar a equipa, principalmente em provas que não sejam do World Tour, mas é necessário colocar a questão, será esta mudança positiva para a evolução global de Powless como ciclista?

A SEG Racing Academy continua a “exportar” talentos para o World Tour, um dos elementos que fará parte da turma de 2020 a subir é Ide Schelling, holandês de 21 anos que terá como destino a Bora-Hansgrohe. É um ciclista completo, vencedor de etapa no Giro della Valle d’Aosta e quase fez o mesmo no Baby Giro, foi 6º na Ronde de l’Isard, muito cuidado com Schelling no futuro, a Bora-Hansgrohe raramente falha na detecção destes talentos.

Finalmente chegou a hora de Pierre Barbier mostrou o que vale ao mais alto nível. Sim, este apelido é conhecido e com razão, este corredor é o irmão mais novo de Rudy Barbier. Pierre passou os últimos 2 anos na Roubaix Lille Metropole, obtendo 3 pódios em 2018 (2 no Tour de la Provence e 1 na Grote Prijs Jean-Pierre Monserè e esta época já somou 5 pódios, e em provas conceituadas como a Volta a Bélgica, a Etoile de Besseges ou o Tour Poitou-Charentes.




Aos 21 anos é uma das maiores promessas do sprint em França e o seu destino é a Delko Marseille, uma equipa que está a apostar forte nesta vertente, já tem Eduard Grosu e também recrutou Dusan Rajovic, resta saber se Brenton Jones também irá continuar ou não. Se der nas vistas é muito provável que depois passe para uma Cofidis ou uma Ag2r.

Para finalizar vamos falar de um corredor que está a ter a sua melhor temporada de sempre, trata-se de Nicola Bagioli, italiano de 24 anos actualmente na Nippo-Vini Fantini. Bagioli foi um bom sub-23 que depois passou a profissional em 2017, sem grandes resultados. No ano passado já foi 4º no Trofeo Laigueglia, 7º no Tour Haut Var e rei da montanha no Tirreno-Adriatico, esta época foi 2º no Trofeo Laigueglia e somou outro pódio na Ronde van Drenthe, onde foi 3º.

Gianni Savio viu algo no italiano com características típicas de puncheur e contratou-o por 1 temporada, sendo já o 6º reforço de uma Androni Giocattoli claramente em revolução, mas que promete ambicionar ao mesmo nível de resultados tendo em conta 2019.



, , , , , , ,