Giacomo Nizzolo resiste às subidas e triunfa no Circuito de Getxo

Na ressaca da Clássica San Sebastian uma parte do pelotão permaneceu em solo basco, juntando-se às restantes equipas espanholas para mais uma edição do Circuito de Getxo. Uma prova feita em circuito, com um final em subida (800 metros a 6,8%), sendo que nas últimas voltas existiam outras dificuldades.

Dia muito atacado até que uma perigosa fuga se formou, com nomes como Vincenzo Albanese, Cesare Benedetti, Lluís Mas, Matej Mohoric, Antonio Nibali, Mathias Norsgaard, Dayer Quintana e Matteo Trentin a serem alguns dos seus integrantes. A Bora-Hansgrohe assumiu o controlo da corrida, nunca deixando a vantagem da fuga passar dos 2 minutos.



Com o aumentar da dureza, a escapada foi sendo cada vez mais reduzida, com Norsgaard, Mohoric e Albanese a serem os últimos resistentes. Este trio foi apanhado já dentro dos 20 quilómetros finais, mesmo antes da subida de Pike Bidea (2,2 kms a 9,2%). Foi aí que o pelotão se partiu, com Abner Gonzalez a desferir um forte ataque, sendo que Santiago Buitrago foi o único a conseguir fazer a ponte até ao final da escalada.

Com diferenças muito curtas, na descida que se seguiu Giulio Ciccone, Giovanni Aleotti, Alessandro Covi, Giacomo Nizzolo e Ide Schelling conseguiram recolar na frente. Aproveitando a superioridade numérica, a Bora-Hansgrohe atacou com Schelling obrigando os restantes  a responder. Já nem todos tinham forças suficientes e apenas Aleotti, Buitrago e Nizzolo se chegaram à frente.



Na chegada inclinada a Getxo, Schelling preparou o sprint para Aleotti, Buitrago tentou surpreender a 200 metros, mas Giacomo Nizzolo fez valer a sua mais forte ponte final para conquistar uma excelente vitória, a 3ª da temporada. Aleotti foi 2º e Buitrago fechou o pódio.

, , , , , , ,