Taco van der Hoorn consegue vitória incrível e Wanty finalmente celebra em 2021

A etapa 3 do Giro foi bastante mais complicada que ontem, para além de 3 contagens de montanha na parte final a chuva foi outro obstáculo relevante para os ciclistas. A fuga também foi bem mais forte, com Alexis Gougerad, Simon Pellaud, Andrii Ponomar, Samuele Zoccarato, Vincenzo Albanese, Samuele Rivi, Lars van den Berg e Taco van der Hoorn a obrigarem a um controlo mais apertado e a uma maior velocidade no pelotão.




A Bora-Hansgrohe foi sempre a formação mais activa na frente do grupo principal e logo na primeira montanha colocou Caleb Ewan em algumas dificuldades, com o australiano a manter-se no pelotão, mas mesmo na cauda. Albanese sprintou para ganhar essa contagem e na descida Manuel Belletti caiu e ficou em mau estado.

Na 2ª montanha, e já com a fuga a cerca de 2 minutos, a formação alemã deixou para trás Groenewegen, Merlier, Dekker e Ewan, colocando Nizzolo em grandes dificuldades. O campeão europeu ficou mesmo atrasado face aos restantes favoritos. A fuga foi perdendo elementos e na última subida mais dura apenas restavam Pellaud e van der Hoorn. No pelotão mais nenhum sprinter ficava para trás e atacaram Tony Gallopin e Giulio Ciccone.

O italiano e o francês apanharam Zoccarato, que estava intermédio, enquanto no pelotão a Israel Start-Up Nation também ajudava a Bora-Hansgrohe a fechar o espaço de 40 segundos para o duo que restava da fuga do dia. A 9 kms da meta Taco van der Hoorn decidiu arrancar sozinho, o pelotão demorou a organizar e o holandês tinha 1 minuto a 6 kms do final.




A diferença ia diminuindo e a emoção ia aumentando, também a UAE Team Emirates e a Cofidis iam ajudando no pelotão, apanharam Ciccone e Gallopin e entraram no quilómetro final a 15 segundos do holandês. A parte final era técnica e ajudou Taco van der Hoorn a conquistar a maior vitória da carreira e a primeira vitória da Intermarche-Wanty Gobert em 2021, e que triunfo para inaugurar a contagem. No sprint pelo 2º posto foi Davide Cimolai o mais forte diante de Peter Sagan e Elia Viviani.

Os 3 portugueses (João Almeida, Nelson Oliveira e Ruben Guerreiro) chegaram no grupo principal. João Almeida é agora 4º e Nelson Oliveira 11º na geral.

, , , , , , , ,