Antevisão da 3ª etapa do Tour 2022

Último dia do Tour de France por terras dinamarquesas, com mais uma potencial chegada ao sprint a esperar o pelotão. Teremos Fabio Jakobsen a bisar?

 

Percurso

Último dia do pelotão na Dinamarca, com Veijle a acolher a partida de mais uma jornada sem grandes dificuldades, apenas com 3 contagens de montanha de 4ª categoria para animar a luta pela camisola das bolinhas.



A chegada a Sonderborg não é fácil, com algumas curvas que, apesar de não muito acentuadas fazem com que o pelotão alongue muito. Entre os 3500 e 800 metros para o fim existe uma longa linha reta, com o pelotão a virar, em 90 graus, para a esquerda, para a reta da meta.

 

Táticas

Mais uma vez, pouco a dizer em relação às táticas. As equipas dos sprinters vão assegurar que se forme uma pequena fuga de forma a ser facilmente controlada e apanhada quando assim o entenderem.

Hoje vimos várias equipas a aparecer na frente, nenhum comboio foi dominante, sendo que se destacaram Quick-Step e BikeExchange. Com a viragem já dentro do quilómetro final, será importante estar bem colocado, no máximo no 10º lugar se o objetivo for vencer a etapa. As restantes equipas vão tentar aparecer no momento certo, tal como aconteceu hoje com a Trek-Segafredo.

 

Favoritos

Depois do triunfo de hoje, Fabio Jakobsen tem de ser considerado o grande favorito. Na etapa de hoje, Morkov deixou-o na roda certa e o neerlandês esteve perfeito, com uma super ponta final. Num dia mais calmo, Jakobsen deverá ter todo o comboio à sua disposição e Morkov deverá fazer o lançamento. Partindo da frente, o ciclista da Quick-Step será muito difícil de superar.



Ainda não foi hoje que o comboio da BikeExchange funcionou. Dylan Groenewegen foi deixado na frente mas depois foi perdendo posições, lançando o seu sprint já de longe. O neerlandês precisa de um comboio forte, tem um dos melhores da prova, tem de ter confiança para o seguir, será meio caminho para o sucesso, pois a rapidez continua lá.

 

Outsiders

Jasper Philipsen começou o Tour com um resultado que não o deve agradar, apesar de ter sido 5º, o belga nunca esteve na luta direta pelo triunfo. Philipsen é muito regular, sabe-se colocar muito bem e isso será fundamental amanhã, e já bateu estes rivais noutras ocasiões.

Dois dias e dois segundos lugares para Wout van Aert. É impressionante a versatilidade e regularidade do atual camisola amarela, capaz de estar na luta em diversos terrenos. Posiciona-se como poucos, para além disso, tem Christophe Laporte para o ajudar, só precisa de uma pontinha de sorte para deixar de bater na trave.



O que se passa com Caleb Ewan? O australiano tem sido uma sombra de si nos últimos meses e hoje não foi exceção. Até nem estava mal colocado mas os toques entre ciclistas e a luta pela melhor roda já no quilómetro final deitaram tudo por terra. O Pocket Rocket tem que confiar mais em si, mas para isso também terá que arriscar mais pois partindo da frente é muito perigoso.

Possíveis surpresas

A Trek-Segafredo e Mads Pedersen estiveram perfeitos no dia de hoje só que viu-se que o dinamarquês não tem a velocidade pura de outros. Preferiria um dia mais duro, é quando rende mais. Se Jasper Stuyven voltar a realizar um lançamento de excelência, tudo é possível. Danny van Poppel foi uma das belas surpresas do dia de hoje, com uma ponta final muito rápida fez esquecer por completo Sam Bennett. Sabe-se posicionar muito bem, se a vitória é complicada, o pódio é possível. Peter Sagan continua a ser um mestre no posicionamento, não tem é a ponta final dos puros sprinters, preferiria um final muito mais técnico. Alexander Kristoff é a experiência em pessoa, veremos se o comboio da Intermarché-Wanty funciona melhor que hoje, o norueguês consegue surpreender quando menos se espera. Hugo Hofstetter, Alberto Dainese e Luca Mozzato devem almejar a presença no top-10.

 

Super-jokers

Os nossos super-jokers são Jeremy Lecroq e Max Walscheid.



, , , , , , , ,