Antevisão da 20ª etapa da Vuelta 2022

Dia de tudo ou nada! Está na hora da derradeira etapa de montanha da Vuelta e dos últimos ajustes na classificação geral. Conseguirá João Almeida assaltar o top-5?

Percurso

Dia de todas as decisões na Vuelta, com a última etapa de montanha da Vuelta e 4000 metros de desnível acumulado positivo! A etapa começa logo em subida, ao quilómetro 20 aparece o Puerto de Navacerrada (10 kms a 6,8%), a primeira 1ª categoria do dia. Cerca de 50 quilómetros depois o Puerto de Navafria (10 kms a 5,5%).



O topo desta subida fica, sensivelmente, a meio da etapa e ainda restam 3 escaladas pela frente! Puerto de Canencia (7,3 kms a 4,9%) e, logo de seguida, o Puerto de la Morcuera (9,2 kms a 6,8%) serão montanhas decisivas para o desfecho da corrida, com esta última a terminar a 37 quilómetros do fim. Rapidamente os ciclistas fazem a descida e entram no Puerto de Cotos (10,5 kms a 5,6%). A derradeira subida da Vuelta termina a 6700 metros da meta, sendo que a partir daqui o terreno é totalmente plano.

 

Táticas

Último dia para se fazerem diferenças na classificação geral da Vuelta, última grande etapa de montanha da competição! Amanhã é o tudo ou nada para os homens da geral. Enric Mas deverá testar Remco Evenepoel mas temos visto que não tem tido sucesso só que, sem o fazer, não sabe o resultado. O 3º lugar ainda está em aberto e daqui para baixo também ainda pode haver alterações. Miguel Angel Lopez, João Almeida, Thymen Arensman e Ben O’Connor são alguns dos nomes que não têm nada a perder e muito a ganhar, devem atacar de longe, ainda para mais com a etapa a não terminar em alto.

Esta é a última oportunidade para os trepadores, por isso também vão querer estar na fuga e o facto de existir uma subida cedo pode beneficiá-lo, caso a corrida não seja atacada desde aí. Portanto, a etapa de amanhã tem todos os ingredientes para ser um grande dia de ciclismo mas quem faz a corrida são os ciclistas, vamos ver se eles cumprem!

 

Favoritos

João Almeida não tem nada a perder e já vimos que o campeão nacional está com muita vontade de atacar nesta última semana. Em crescendo de forma, Almeida quererá, pelo menos, o 5º lugar, sendo que o posto seguinte também não está muito longe. Para isso devemos vê-lo a mexer na corrida de longe, será importante o apoio de Brandon McNulty e Marc Soler.



Não é nada descabido vermos o cenário de ontem a acontecer novamente, todos a atacarem, Remco Evenepoel a seguir confortável e, no fim, a levar nova vitória. O belga parece não querer abrandar, está em grande forma e se puder somar novo triunfo não vai desperdiçar, de forma a confirmar, ainda mais, o seu triunfo final.

 

Outsiders

Miguel Angel Lopez tem o pódio no seu alcance, mas também sabe que João Almeida não está muito longe e, aí, pode ter no português um aliado. Este é o terreno do colombiano, é aqui que ele rende bem e no final de uma Grande Volta, Lopez está sempre na luta. Sem medo de atacar, o ciclista da Astana pode ser um perigo à solta amanhã.

Ben O’Connor é outro corredor com um espírito muito ofensivo. O australiano é um ciclista de terceiras semanas, vai sempre de menos a mais e, aos estar em 9º não tem nada a perder. Excelente trepador, pode carimbar uma boa Vuelta com uma vitória aqui, o que lhe daria, também, vitórias nas 3 Grandes Voltas.



Numa fuga, o nome de Thibaut Pinot é aquele que tem de ser destacado. Em claro bom momento de forma, o francês tem dado nas vistas esta semana, quer a acompanhar os melhores quer a estar na fuga da etapa de ontem e, depois, ainda terminar com os homens da geral. Não vai querer sair de mãos a abanar da Vuelta, deixará tudo na estrada. Também pode vencer entre os favoritos, se existir algum momento de hesitação no grupo.

 

Possíveis surpresas

Jai Hindley é 10º mas está em terra de ninguém, longe de quem está à frente e de quem está atrás. O vencedor do Giro está acabar bem a Vuelta, são boas indicações e poderá integrar a fuga do dia, na tentativa de subir mais lugares, como já o fez nos últimos dias. Já aqui falámos de Thymen Arensman, o neerlandês venceu a etapa rainha da prova e porque não pensar na segunda? Tem margem para arriscar, é jovem, tudo tudo a ganhar! Dificilmente vemos Enric Mas a distanciar Evenepoel, só mesmo com o belga a ter uma quebra enorme mas aí o espanhol deve ter companhia e este não é rápido em grupos restritos. Juan Ayuso tem o pódio seguro, só tem que seguir as rodas, se conseguir acompanhar Mas e Evenepoel pode vencer ao sprint. Richard Carapaz tem a camisola da montanha praticamente garantida mas deverá querer assegurá-la na fuga, aí, e sem grande desgaste, será um sério candidato à vitória. Um grande rival pode ser Mikel Landa, ele que hoje esteve ao serviço da equipa (algo muito pouco habitual), a mostrar boa forma. Para a escapada, Robert Gesink volta a ser um nome a considerar, esteve perto ontem, para além de Sergio Higuita, Sebastien Reichenbach, Hugh Carthy, Clement Champoussin e Marc Soler.

 

Super-jokers

Os nossos super-jokers são Sebastian Reichenbach e Wilco Kelderman.



, , , , , , ,