Peter Sagan autoritário triunfa em Martigny

Primeira etapa em linha da Volta a Romandia deste ano, uma tirada que ligava Aigle a Martigny, as duas cidades que deveriam ter recebido os Mundiais de 2020. Os primeiros quilómetros foram de muitos ataques até que, passados cerca de 15 quilómetros, Thymen Arensman, Alexis Gougeard, Joel Suter, Filippo Conca, Robert Power e Manuele Boaro conseguiram ganhar alguma vantagem para o pelotão.




O suíço Suter foi aproveitando a presença na fuga para amealhar pontos importantes para a classificação da montanha, o que lhe valeu a subida ao pódio no final do dia. A fuga esteve sempre debaixo de controlo pelo pelotão e, na passagem pela penúltima subida do dia, Arensman ficou sozinho na frente, sendo apanhado em plena ascensão para Chamoson.

Após subida, Remi Cavagna e Stefan Kung tentaram a sua sorte em solitário mas o vento frontal foi fatal. A 10 quilómetros do fim, novos ataques apareceram, desta vez com Mattia Cattaneo a ter companhia, nos casos de Cavagna, Damien Howson e Sebastian Reichenbach. INEOS, BikeExchange, Bora-Hansgrohe, Bahrain-Victorious e EF Nippo perseguiam no pelotão e voltavam a juntar tudo.




Sem nenhum comboio a conseguir dominar os quilómetros finais, foi a Bahrain-Victorious a entrar na frente nos derradeiros 1000 metros. Com apenas dois corredores, Tratnik durou até onde pôde mas isso fez com que Sonny Colbrelli tivesse que lançar o seu sprint a cerca de 300 metros do fim. Peter Sagan estava na sua roda, por lá continuou e só saiu a 150 metros.

Quando o eslovaco arrancou não deu hipóteses a ninguém e conquistou a vitória na 1ª etapa do Tour de Romandie. Colbrelli ainda foi 2º, com Patrick Bevin a fechar o pódio. Rui Costa tentou imiscuir-se no sprint e foi 11º. Rohan Dennis chegou no pelotão e segue na liderança.

, , , , , , ,