Antevisão da 21ª etapa do Tour

Depois de um dia de fortes emoções, o Tour de France chega ao final, com a tradicional chegada aos Campos Elísios. Momento de consagração para alguns com os homens rápidos a espreitarem a derradeira oportunidade.

 

Percurso

Para acabar mais uma edição da Grande Boucle temos o clássico final nos Campos Elísios, como a cereja no topo do bolo.  Desta vez o local de partida escolhida é Mantes-la-Jolie e a etapa tem 122 quilómetros. A primeira passagem pela linha de meta ocorre ao quilómetro 67, já depois de uma contagem de montanha que não vai influenciar em nada, e seguem-se 8 voltas ao circuito parisiense. De recordar a parte final, que tem a viragem à esquerda a 2 quilómetros da meta e a rápida chicane antes da reta da meta, que é num piso tortuoso e tem 400 metros de extensão.



 

Táticas

É difícil não ver esta etapa terminar ao sprint. Claro que um ataque perto do final pode ter o seu sucesso, no entanto as probabilidades são reduzidas e um sprint final é quase certo, ainda por cima com todos os grandes nomes a estarem presentes. É importante entre bem colocado no quilómetro final, principalmente na chicane antes da reta da meta.

 

Favoritos

Com a camisola verde praticamente no bolso, Sam Bennett pode libertar a pressão e focar-se em vencer a etapa. É o sonho de qualquer sprint vencer nos Campos Elísios, então fazê-lo com a camisola verde seria ainda mais especial. Michael Morkov será essencial para o final.

A Team Sunweb está a realizar um Tour de France de sonho e porque não terminá-lo com novo triunfo? Cees Bol desiludiu um pouco nos últimos sprints, perdendo o seu comboio mas nada apaga as boas prestações que teve. Com Nikias Arndt e Casper Pedersen tem um excelente comboio, num final que assenta na perfeição ao gigante holandês.



 

Outsiders

Caleb Ewan venceu neste local no ano passado e pode voltar repetir tal feito. Após muito sofrer nas montanhas francesas, o pequeno colombiano tentará o seu 3º triunfo na prova, para igualar o resultado do ano transato. O seu comboio é muito experiente e tentará deixá-lo na roda certa.

Amanhã Mads Pedersen despede-se da camisola de campeão do Mundo e nada melhor do que vencer na sua despedida. O dinamarquês abriu o Tour com um 2º posto e nas poucas oportunidades que teve voltou a mostrar a sua velocidade. Dentro da Trek-Sefafredo nunca se sabe quem será o escolhido, mas se querem vencer tem que ser com Pedersen.

Depois da enorme desilusão que foi o dia de hoje, Wout van Aert poderá dar uma última alegria à Jumbo-Visma. O fenómeno belga faz tudo bem e já derrotou, por duas vezes, os principais sprinters do Tour. Após 3 semana, a sua ponta final ainda se aproxima mais da dos seus rivais.



 

Possíveis surpresas

Alexander Kristoff é outro nome que já venceu aqui. Com a UAE Team Emirates em grande, seria um sonho fechar o Tour com um triunfo, depois do norueguês também ter entrado a ganhar. Luka Mezgec está a terminar bem o Tour, conta já com dois 2º lugares, será difícil vencer, mas novo pódio é possível. Edvald Boasson Hagen consegue, sempre, estar entre os primeiros nesta etapa, dadas as características da chegada e, amanhã, pode conseguir salvar o Tour da NTT. Bryan Coquard, Peter Sagan e Hugo Hofstetter devem terminar no top-10 mas dificilmente poderão erguer os braços na tarde de Paris. Atenção, ainda, a Niccolo Bonifazio e Elia Viviani.

 

Super-jokers

Os nossos super-jokers são Simone Consonni e Max Walscheid.




, , , , , ,