Melhores equipas do ano – 26º

A primeira formação belga do nosso ranking conseguiu um ano bastante positivo, com o final de temporada a valer por toda a combatividade demostrada ao longo da época. Com um plantel muito jovem, e focando-se na formação dos seus atletas, a Sport Vlaandere-Baloise mantém-se fiel ao seu projeto há muitos anos.

 

Os dados

Vitórias: Somente 3, duas delas conseguidas nas últimas semanas da temporada

Pódios: Os pódios foram muito poucos, apenas 7, nem sempre a combatividade da formação belga foi recompensada.



Dias de competição da equipa: Um total de 125 dias de competição, divididos por muita competição na Europa Central.

Idade média do plantel: 25 anos, como é característico da equipa belga tem sempre um plantel muito jovem. Os 36 anos de Kenny de Ketele estragam esta média.

Mais kms: Aaron van Poucke foi quem mais pedalou de forma oficial, totalizando 8 698 kms.

Melhor vitória: Logo a primeira, com Robbe Ghys a vencer, em fuga, uma etapa na Volta a Bélgica, depois de aguentar um ritmo infernal de Remco Evenepoel.

 

O mais

Todos os anos existem saídas e despontam sempre atletas. Este ano foi o caso de Arne Marit. Com apenas 22 anos, o belga era um desconhecido do pelotão mas, aos poucos, foi ganhando o seu espaço. Consegui um total de 10 top-10, 7 deles desde setembro, o que demonstra o final de temporada. A vitória no GP Morbihan culminou a grande temporada do sprinter.

Rune Herregodts também despontou esta temporada. Um clássico ciclista belga, muito combativo, passa bem as dificuldades e defende-se no contra-relógio. Fechou a temporada a vencer. Jordi Warlop já tinha outro estatuto, era o principal sprinter da formação belga e foi quem mais apareceu no início da época. Menção, também, para Fabio van den Bosche.



 

O menos

Com um plantel muito jovem, as desilusões não podem ser muitas, uma vez que é sempre preciso uma adaptação na primeira temporada. Thomas Sprengers era um dos grandes nomes e, talvez, tenha sido ele a maior desilusão. Com 31 anos, o classicómano belga tem já outro estatuto na equipa no entanto 2021 não foi o seu ano, não conseguindo um único top-10.

 

O mercado

O plantel da equipa belga está longe de estar fechado, ainda só tem 12 ciclistas confirmados para a nova época mas, como é habitual, todos eles são belgas. De saída estão grandes figuras como Jordi Warlop, Kenny de Ketele e Fabio van den Bosche.



Como sempre, a Sport Vlaanderen aposta muito na juventude e, para tal, recrutou ciclistas muito jovens para colmatar as saídas já confirmadas. Jules Hesters chega da BEAT Cycling e Milan Fretin e Vito Braet da Lotto Soudal sub-23. Tuur Dens, Kamiel Bonneu e Jenno Berckmoes vêm de escalões ainda mais inferiores.

 

O que esperar de 2022?

Com apenas 12 ciclistas confirmados para a próxima época, faremos alguma futurologia. Assumindo que a maioria do plantel se mantém, algo que acontece quase todas as temporadas (as entradas já compensaram as saídas), Arne Marit e Rune Herregodts são as grandes apostas para a próxima época.

Como já se viu este ano, os jovens belgas já se adaptaram ao pelotão internacional e podem conseguir excelentes resultados em muitas provas do calendário europeu, principalmente semi-clássicas e provas por etapas de 4/5 dias.



, , , , , ,