Os “avozinhos” do pelotão internacional em 2021

Já começa a ser uma notícia tradicional. Todos os anos, por esta altura, cá estamos nós a noticiar que os grandes veteranos do pelotão internacional continuam entre a elite, arranjando equipa para a nova temporada.



O nome mais assíduo nesta lista é Davide Rebellin e, mais uma vez, cá está ele! Aos 49 anos, o italiano seguirá a sua longuíssima carreira na Cambodia Cycling Team, uma formação daquele país asiático, depois de duas temporadas na Meridiana Kamen.

Apesar de ter licença do Camboja, a sua nova equipa tem base em França, na região de Alès, pelo que será natural vê-lo a correr diversas provas do calendário gaulês. Este ano foi 8º no Sibiu Tour e, mesmo sendo cada vez mais complicado, no calendário asiático poderá ainda ter algumas chances.

Mais novo 5 anos e com uma vitória no seu palmarés em 2020, Francisco Mancebo também se mantém no ativo. O espanhol renovou com a japonesa Matrix Powertag, formação onde está desde 2019. Muito combativo, o trepador espanhol tem conseguido, sempre, dar nas vistas, tendo já ganho a Volta às Filipinas e diversas provas do calendário japonês.



Quando vem correr à Europa, mais concretamente a Espanha, ainda dá luta nas classificações secundárias, vencendo algumas. Longe dos tempos em que fez 3 top-5 na Vuelta e 5 no Tour de France, Mancebo é uma voz de experiência no pelotão asiático.

Da mesma geração de Mancebo mas correndo no outro lado do Mundo, temos Oscar Sevilla. O veterano de também 44 anos continua na “sua” Team Medellin, equipa que o acolhe há 5 temporadas. O completo espanhol é, dos 3 ciclistas referidos, aquele que melhor resultados tem conseguido, tendo ganho a Vuelta a San Juan em 2018 e terminado no pódio em 2017, 2019 e 2020.



Conhecido como El Niño, Sevilla é uma das referências do calendário colombiano, vencendo várias vezes a Volta àquele país, Clássico RCN e outras competições sul-americanas como Vuelta a Ecuador e Vuelta a Chiloé. Radicado na Colômbia desde 2011, onde casou e constitui a sua família, acreditamos que enquanto tiver vontade de competir deverá ter lugar nas equipas colombianas pois os seus resultados ainda são de muito valor. Por curiosidade, iniciou a sua temporada no passado domingo, na Vuelta al Tachira, onde é um dos favoritos ao triunfo final, estando já em 2º na geral.

, , , , ,