Antevisão da 2ª etapa da Volta a Portugal – Edição Especial

A mítica Senhora da Graça! Dia para a primeira grande luta entre os homens classificação geral com a chegada ao Monte Farinha. Quem vai passar o primeiro teste?

 

Percurso

A primeira verdadeira etapa de alta montanha da Volta a Portugal! 5 contagens de montanha, 3 delas de 1ª categoria compactadas em 167,5 kms e a chegada mítica à Senhora da Graça.



A primeira grande subida é a da Rebordosa (700 metros a 7,6%), logo a abrir a etapa. 80 quilómetros volvidos, sempre num terreno ondulante começam as grandes dificuldades, com 3 contagens de montanha consecutivas. A Serra do Marão (12.4 kms a 4,8%) é a primeira do menu, seguida do Velão (3.2 kms a 4,1%) e da subida do Barreiro.

Esta montanha deve partir por completo o pelotão, são 9.7 kms a 6,5% e novamente a média é estragada por um quilómetro praticamente plano (os últimos 3200 metros são a 9,6%). Segue-se uma longa descida e a entrada em Mondim de Basto, onde este ano não existirá a multidão habitual. A subida da Senhora da Graça é conhecida por todos, 8400 metros a 7,2% com os últimos 2 quilómetros a serem especialmente duros, acima dos 8%.

 

Táticas

Se hoje vimos a W52-FC Porto na frente do pelotão, amanhã o cenário deve ser o mesmo. Os comandados de Nuno Ribeiro continuam na liderança e vão querer controlar durante todo o dia para vencer pelo 5º ano consecutivo no Alto da Senhora da Graça. O dia é muito duro e a subida do Barreiro deverá reduzir muito a dimensão do pelotão que vai chegar à entrada de Mondim de Basto.



Amanhã é, também, um dia muito importante para a classificação da montanha por isso esperamos uma luta intensa pela presença na fuga do dia.

 

Favoritos

João Rodrigues defendeu-se muito bem no prólogo de abertura e hoje esteve muito atento. Após ter ganho no Alto da Torre no ano passado, esta é a outra grande chegada em alto que lhe falta no currículo. Numa das equipas mais fortes da prova, a superioridade numérica poderá ser fundamental para um corredor que gosta destas subidas e, para além disso, é bastante explosivo.

No ano passado, António Carvalho esteve em fuga todo o dia e, numa etapa épica, conseguiu triunfar no Monte Farinha. Este ano mudou de equipa, está na Efapel, e tem estado muito bem nas duas etapas já disputadas. Hoje foi um dos poucos homens da geral a atacar, o que só mostra boa condição física.

 

Outsiders

Joni Brandão já esteve várias vezes perto de triunfar neste local no entanto a sorte ainda não lhe sorriu. No prólogo inicial deixou muito boas indicações e hoje, apesar de não ter chegado bem posicionado, esteve com os melhores. A alta montanha é a praia do português e, numa Efapel mais reforçada, Joni Brandão pode, finalmente, vencer.



Outra opção na W52-FC Porto é Amaro Antunes. Se o português tiver que trabalhar para a equipa vai fazê-lo, tal como se viu hoje e, mesmo assim, chegou bem na frente. De regresso ao pelotão nacional, o português é uma peça fundamental na equipa portista e, no jogo tático, pode aproveitar a marcação.

A vitória no Troféu Joaquim Agostinho motivou, ainda mais, Frederico Figueiredo. O trepador português é dos ciclistas mais regulares do pelotão e, quando a estrada empina está sempre na luta. Após o abandono do ano passado, quer fazer mais e melhor que nos anos passados. Não será fácil lutar contra os blocos da W52-FC Porto e da Efapel mas se há ciclista capaz é este.

 

Possíveis surpresas

Gustavo Veloso já aqui venceu no entanto nos últimos anos não conseguiu voltar a aproximar-se. A explosividade já não é a mesma mas, se chegar um pequeno grupo na parte final, o galego pode voltar a sorrir. O bloco da Rádio Popular-Boavista com João Benta, David Rodrigues e Luís Fernandes pode, muito bem, intrometer-se na luta. Com várias opções, podem atacar à vez e desgastar os rivais, até um deles conseguir escapar. Vicente Garcia de Mateos tem evoluído muito na montanha e a sua exibição nos Nacionais de Espanha deixaram água na boca para a Volta a Portugal. Henrique Casimiro, Luís Gomes e Joaquim Silva tentarão defender-se ao máximo, poderão estar entre os primeiros, mas o triunfo será complicado. Entre as equipas estrangeiras, Gavin Mannion e Cristrian Rodriguez são as maiores ameaças.



 

Super-jokers

Os nossos super-jokers são Keegan Swirbul e José Neves.

 

, , , , , ,