Antevisão da 5ª etapa do Giro 2021

Ao 5º dia mais uma oportunidade para os puros sprinters. Tim Merlier ganhou o primeiro duelo, será que vai voltar a repetir tal façanha? Concorrentes à vitoria não faltam.

Percurso

Uma jornada totalmente plana, sem uma única contagem de montanha e sem uma colina a assinalar, um sonho para os puros sprinters. A parte final será disputada junto ao mar, prevê-se vento moderado e alguma chuva (50% de probabilidade), o que irá certamente aumentar o nervosismo dentro do pelotão e poderá provocar algumas quedas.




Com um sprint final a ser previsível, resta analisar o final da etapa. Será crucial entrar na frente nos 3 kms para a meta, depois disso será muito difícil subir posições no grupo e tem de se entrar nos 10/15 primeiros no quilómetro final. A 2700 metros da meta começa uma série de viragens, curva à esquerda a 90 graus, curva à esquerda a 90 graus, curva à esquerda a 45 graus, curva à esquerda a 90 graus e curva à direita a 90 graus, esta última mesmo antes da recta da meta, com 900 metros.

 

Favoritos

Uma etapa totalmente plana é perfeita para o vencedor da 2ª etapa, Tim Merlier. O ciclista da Alpecin-Fenix mostrou bem o seu poderio nesse sprint e conta com um bom comboio (De Bondt, Krieger, Vermeesch). Esta tirada é ao 5º dia, Merlier ainda está relativamente fresco nesta sua estreia em Grandes Voltas.




Dylan Groenewegen é dos sprinters mais possantes aqui, dias com algumas colinas serão terríveis para ele e ele sabe que tem aqui uma excelente oportunidade. O problema é que talvez ainda esteja a ganhar ritmo e alguma confiança, no entanto conta com David Dekker para o guiar neste final perigoso.

Outsiders

Caleb Ewan parecia completamente perdido na 2ª etapa, mesmo com Kluge e De Buyst, ciclistas da sua confiança. A Lotto-Soudal precisa de mais um ciclista à frente deles, veremos se Stefano Oldani consegue fazer esse papel com eficácia. Ewan raramente ganha nas estreias ao sprint em Grandes Voltas, geralmente precisa de tempo para olear a máquina.

Analisando os comboios, a Cofidis de Elia Viviani tem aqui um dos melhores comboios de lançamento, com Attilio Viviani, Sabatini e Consonni, especialmente Consonni. Têm conseguido deixar Viviani bem posicionado e o facto do comboio ser grande pode ser essencial para entrar bem colocado nos 3 quilómetros finais.

Depois de evitar miraculosamente uma queda no 2º dia, Fernando Gaviria mostrou que a condição física está lá, ao sobreviver às subidas na 3ª etapa. A comunicação tem de ser melhor entre o colombiano e Richeze e Molano. Esta parte final do comboio parece ser de excelência e Gaviria geralmente navega bem entre o pelotão.

Possíveis surpresas

Num final destes obviamente que Peter Sagan tem de ser um nome a ter em conta, mas o eslovaco gostaria de menos concorrência de sprinters possantes, estará mais focado em ficar no top 5. Giacomo Nizzolo não deu boas indicações no 3º dia ao ficar para trás quando Gaviria ou Viviani se aguentaram na frente, o campeão europeu é algo irregular e gostaria de alguma inclinação no final, o comboio não é mau, mas também não é incrível. Davide Cimolai certamente recebeu um boost de confiança ao fazer 2º ontem, o melhor resultado do italiano em muito tempo. O facto da Israel Start-Up Nation ter a rosa não o ajuda propriamente, Bevin terá de o ajudar e muito. Veremos o que a Jumbo-Visma decide, provavelmente será Groenewegen a sprintar, mas também pode ser David Dekker. Riccardo Minali está agora com menos pressão que a Wanty ganhou, o italiano é um sprinter a ter em conta, tal como o talentoso Matteo Moschetti, pena estar inserido numa Trek-Segafredo que aposta mais na montanha. Filippo Fiorelli foi uma grande surpresa hoje, cotado como um sprinter razoável o italiano mostrou estar em grande forma com o 3º posto hoje, numa etapa de montanha.



Super-jokers

Os nossos Super-Jokers são: Max Kanter e Simone Consonni.

, , , , , , , ,