Antevisão da 5ª etapa da Volta a Portugal – Edição Especial

Depois da intempérie na montanha vem a bonança dos sprinters, com uma ligação acessível entre Oliveira do Hospital e Águeda, mas como sempre o final tem que se lhe diga.

 

Percurso

Quase 180 kms relativamente acessíveis entre Oliveira do Hospital e Águeda, com apenas 2 contagens de montanha de 4ª categoria para ultrapassar, são menos de 1500 metros de desnível. O final me Águeda não será fácil, os últimos 2000 metros têm 2,7% e os últimos 800 metros empinam ainda mais. O final é muito complicado em termos técnicos e nos últimos 3 kms há 7 pontos de perigo, com a última viragem a 400 metros da meta.



O Vento (secção adicionada mais tarde, actualizada às 0h)

As condições climatéricas podem animar a etapa de amanhã. Com alguma chuva prevista para esta região de manhã e ao início da tarde, o vento será protagonista (a 30 km/h com rajadas de 60 km/h. Estará frontal em grande parte da jornada, mas depois a corrida vira e estará lateral durante 20 a 30 kms, entre Mira e Anadia, já dentro dos 50 kms finais. Depois de seguir para Norte continuará a estar de forma lateral, mas mais de frente até Águeda.

Favoritos

A etapa é fácil, é acessível o controlo do pelotão e deveremos ter um sprint final salvo um ataque dentro dos 3 kms com a parte técnica. O maior candidato será Dan McLay, 2º no final em Viseu o britânico está em boa forma e nem se importa com o final ligeiramente a subir. A Arkea-Samsic tem aqui o melhor comboio no papel, com Bram Welten e Christophe Noppe.

A Nippo Delko One Provence tem aqui uma oportunidade de ouro com Riccardo Minali, que já passou por equipas como a Astana. O italiano é um bom finalizador, mas é muito inconstante e sem grande comboio precisará da ajuda preciosa de Mauro Finetto.

 

Outsiders

A Efapel está motivadíssima para dedicar mais uma vitória a Luís Mendonça, que está a passar um mau bocado em termos pessoais. Rafael Silva tem trabalhado recentemente em conjunto com Luís Mendonça, parece em boa forma e tem uma ponta final de qualidade.



Foi uma surpresa Leangel Linarez tem sobrevivido aos quase 3000 metros de acumulado da etapa de Viseu, é sinal que o venezuelano está em grande forma. É verdade que Daniel Freitas também poderá sprintar, mas esta dupla a funcionar muito bem com a ponta final de Linarez é um perigo.

César Martingil é outro ciclista que não se importa com uma pequena rampa no final, foi 4º em Évora na Volta ao Alentejo no ano passado e 2º em Sobral de Monte Agraço no Troféu Joaquim Agostinho, 2 chegadas relativamente parecidas com esta. Alejandro Marque pode fazer um bom trabalho a colocá-lo e Grigorev um bom trabalho a lançá-lo.

 

Possíveis surpresas

João Matias será a aposta Aviludo-Louletano para amanhã e a formação algarvia quer certamente recuperar do dissabor de hoje. Outra equipa com um olho na chegada a Águeda é o Feirense com Oscar Pelegri, falta alguma experiência para a equipa fazer um comboio grande, mas Rafael Reis será fundamental na colocação do espanhol. Dentro da Kelly/Simoldes/Udo, uma das formações em destaque nesta Volta, o elemento mais rápido é Fábio Costa, campeão nacional sub-23 e vencedor de várias corridas nos escalões de formação desta forma. Atenção ainda a Daniel Mestre e a Samuel Caldeira, veremos qual deles vai sprintar, ambos podem estar um pouco desgastados devido ao intenso trabalho que têm tido na defesa da camisola amarela.



 

Super-Jokers

Os nossos Super-Jokers são Diego Rubio e Sergey Shilov.

, , , , , ,