Jovem Sean Quinn surpreende pelotão e vence Clássica da Arrábida

Novo domingo de ciclismo para o pelotão nacional, hoje com a Clássica da Arrábida a disputar-se entre Setúbal e Palmela e com passagens por subidas muito conhecidas como a Serra da Arrábida e o Alto das Necessidades, bem como a Estrada da Cobra, um dos mais conhecidos setores de sterrato de Portugal.



Os primeiros quilómetros viram Hélder Gonçalves, Marcelo Salvador, João Matias, Francisco Morais e Tiago Leal saltarem para a fuga do dia, uma escapada que esteve na frente até 75 quilómetros finais. A vantagem dada pelo pelotão comandado pela Caja Rural nunca foi muito grande, levando ao fim precoce da aventura.

Após alguma acalmia, o Alto das Necessidades foi palco de vários ataques e formação de nova fuga, onde estavam Jon Irisarri, Mathijs Passchens, Emerson Oronte, Jarrad Drizners e Hugo Nunes. Faltam 25 quilómetros, as diferenças eram curtas mas o pelotão não tinha tarefa fácil para apanhar os fugitivos. Depois da primeira passagem pela meta em Palmela, só restavam na frente Irisarri e Passchens, com pouco mais de 10 segundos de vantagem.



A Hagens Berman Axeon atacou em dose dupla, com Jarrad Drizners e Sean Quinn a juntarem-se ao duo da frente à falta de 5 quilómetros para a chgeada. Durou pouco a colaboração entre o grupo pois logo de seguida Sean Quinn ficava isolado na frente em busca do triunfo. A Estrada da Cobra não foi fatal, Quinn manteve um ritmo elevado e constante e, logo de seguida, estava a celebrar o primeiro triunfo da carreira em Palmela.

A 11 segundos, chegava o vencedor de 2019, Jonathan Lastra, terminando no 2º lugar. A 13 segundos, na luta pelo 3º lugar, o belga Remy Mertz bateu Tiago Antunes. O grupo perseguidor chegou 16 segundos, com grande representação das equipas portuguesas.

Foto: FPC

, , , , , , , ,